terça-feira, 5 de maio de 2009

Não à delação



"O estudo é um direito também dos filhos de clandestinos", afirmou ontem, Gianfranco Fini, ex-expoente do Movimento Social Italiano Direita Nacional (remanescente do movimento fascista) e atual presidente da Câmera italiana.

Ele rebate a proposta de lei promovida pela Lega Nord - ala mais radical anti-imigração do governo - , de impedir que filhos de imigrantes sem o visto regular possam frequentar escolas públicas. Entre outras, ficaria subentendida que os professores deveriam delatar a presença destes alunos. Através da criança, a denúncia levaria à família clandestina, com consequente expulsão de todos. "É inconstitucional, e não há nada de semelhante na Europa", critica Fini.

Meno male, ainda resta a voz de uma direita culta e ponderada de Fini neste tragicômico governo Berlusconi-Ato Quarto.

Taí, mais uma razão para reconfirmar minha aversão por classificações ideológicas entre "direita" e "esquerda" nas questões políticas. É que na realidade berlusconiana, não há outro modo de distingui-los.

3 comentários:

hissahe disse...

Isso tem cheiro de armadilha pra pegar rato. Aquele que voce coloca um pedacinho de queijo e quando o bichinho vai tentar se deliciar..patchannnn!!!
Bjs

LuMa disse...

Hissahe: É a mesma estratégia nazista de intimidação, é mole? Nem é policiamento secreto, mas se valendo de instituições e profissionais. Para a Liga Nord, os médicos tbém precisam delatar qdo chegam clandestinos nos pronto-socorros!

batatatransgenica disse...

é uma política de terror. :o(