quarta-feira, 13 de maio de 2009

Arquitetura fascista


Tenho me dirigido diariamente ao hospital, em visita a um membro da família, por razões pouco animadoras. Espera-se sempre que qualquer conforto possa ser útil na inversão da doença.

Não creio que exista alguém que aprecie um ambiente hospitalar. Confesso, apenas o dever moral supera o esforço psicológico com que me preparo para ir até lá.

Talvez para compensar a minha inquietação, faço todo o percurso interno à pé, da cidade-hospital, através das longas alamedas do Ospedale Maggiore, repletas de jardins e flores.

Trata-se de um hospital construído por Benito Mussolini, em 1939, cujas linhas da arquitetura fascista, projetadas pelo arquiteto Giulio Arata, transmite a grandiloquência e a difusão dos ideais de massa do regime. Ocupa uma área de mais de 320 mil metros quadrados, com edifícios monumentais (em mármore) para cada setor, cortada por alamedas e jardins, o que requer o uso de microbus para a circulação interna.

A arquitetura fascista se fez presente também na história de São Paulo. Basta lembrar o já demolido casarão dos Matarazzo, na Paulista. Ou o edifício Matarazzo, no Viaduto do Chá, assinado pelo arquiteto Marcello Piacentini, conhecido como "arquiteto de Mussolini". Na Itália, Piacentini assinou várias construções monumentais, como o Palácio da Justiça de Milão, a Universidade La Sapienza de Roma, Teatro de Ópera de Roma, entre outras.

Fascista ou não, sua arquitetura me aplaca a melancolia com suas belas linhas, antes de chegar ao edifício onde se encontram as fatalidades.

7 comentários:

Punksauro Nei disse...

Ética e estética não são antagônicas, porém, não necessariamente, andam de mãos dadas.
Apesar da rima, ética e estética são duas formas diferentes de ver e criar um mundo.
A formalidade da ética freia a estética.
E acredito nas duas formas de ver o mundo. E ao criar, ando numa eterna corda bamba, um desafio legítimo.
Benito era um babaca. Mas que hospital lindo, não?

LuMa disse...

Nei:
Vc tem razão, uma definição justa. Pra lá da Ética, a beleza tem vida e conceito próprios.

Não sei se vc se lembra da Stazione Centrale daquí,tbém por mãos do Duce. É linda, lembra?

Punksauro Nei disse...

Esse extase de amor à arte eu senti no D"Orsay ao ver, de uma sala anterior através da porta, 3 quadros de Van Gogh perfilados.

Quase fiz nas calças.

Aí entrei na sala e logo tive que sair para ir ao wc. Quando me olhei no espelho, já não era mais o mesmo.

hissahe disse...

Agradecer por poder apreciar tantas coisas belas e por estar fazendo a visita e nao sendo visitado.
Milao me fascina. Voce tambem Luma.
Beijos

LuMa disse...

Hissahe:

Discreta como é, veio postar aquí, e não lá em cima, né? Mas fez bem, porque assim, vc faz companhia ao surto de Nei, com o Van Gogh. Compreendo ambos, porque eu não parava de tremer, ao ver Monet, com "Catedral de Rouen", que loucura...

Francoorp disse...

Quando vivia e trabalhava em Roma, sempre via as obras da Arquitetura Fascista na zona Roma-Eur... o modelo politico era uma merd@, mas aqueles edifícios eram maravilhosos... o inteiro complexo do quarteirão era perfeito, suas ruas, suas praças... simplesmente demais!!

Francoorp disse...

Achei algumas imagens para se ver o quarteirão... espero que gostem, pois eu gostei.

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=465663