sexta-feira, 22 de maio de 2009

"Desbatismo" em aumento


Ruptura definitiva com a Igreja Católica através do cancelamento de seu nome no registro de batismo, pois o sacramento, determinado na infância pelos pais, opõe-se à vontade individual e à própria identificação espiritual.

É com este argumento que nos últimos anos os italianos estão engrossando a fila das paróquias e dioceses de suas cidades com o pedido de "desbatismo", em protesto contra a instrumentalização da "religião oficial" nas questões do Estado. A Igreja, segundo o protesto, se permite a qualificá-los como fiéis a partir do sacramento. E o fenômeno já começa a incomodar o Vaticano.

Segundo a União dos Ateus e Agnósticos Racionalistas da Itália - que calcula representar cerca de 9 milhões de não-crentes - , são baixados em média 2.500 modelos de formulários ao mês do seu site, através dos quais todos podem formalizar o pedido junto às autoridades eclesiásticas. O protesto é silencioso, mas o número se faz ouvir.

Em 2007, a UAAR registrou 17 mil downloads deste formulário. Em 2008, outros 21 mil, totalizando mais de 70 mil formulários desde 2000, quando a entidade disponibilizou o documento. A grande maioria destes não-crentes, segundo seus dados, pertence à faixa etária entre 40 e 50 anos, seguida sucessivamente pelos mais jovens.

Segundo um artigo do site italiano Virgilio, 1107 paróquias da diocese milanesa estão envolvidas com pilhas de pedidos de "desbatismo". O pico se deu sobretudo após a polêmica causada pela Igreja junto ao governo, opondo-se ao caso de Eluana Englaro. A jovem viveu 17 anos em estado vegetativo, o mesmo longo período de apelo de seu pai, em luta pela suspensão de vida artificial.

5 comentários:

Punksauro Nei disse...

Uma amiga fez intercâmbio, foi para Cividale, perto de Milano.

A amiga dela veio a SP, isso faz 20 anos.

A amiga dela, italiana, preparava-se para a Buconi (acho que era esse o nome da faculdade).
Ela, os pais, irmã, todos agnosticos.

Paola disse...

Que coisa boa, acho que há que abalar as estruturas da igreja e todas as outras entidades religiosas, não sabia dessa possibilidade, muito bom!

Vou baixar tb!

PAola

Adrina disse...

Apesar de ser católica, acho que o credo religioso é uma das escolhas mais pessoais que alguém pode ter, mas também acho que o "desbatismo", ou apostasia, segundo a Igreja, é meio radical demais. Mas é o que eu acho, e ninguém precisa concordar comigo!

LuMa disse...

Nei, Paola e Adrina:

Botei este post por tratar-se de um fenômeno, ainda que lento e silencioso, por achar que revele, em algum modo, a insatisfação da sociedade contemporânea italiana. No sentido filosófico, entendo. A imagem que se tem da Itália, visto com o filtro da mídia, é de um país extremamente religioso, e isso não é verdade. Os lugares-comuns exploram imagens de italianos apenas do sul - religiosos e ligados aos velhos valores e tradições - de um passado que já não existe há muitas décadas. Resumindo, aquí há muito mais não-crentes de qto possam imaginar. O "desbatismo" destes grupos é apenas uma manifestação de protesto contra ingerências da Igreja e para mantâ-la distante das influências do Estado.

hissahe disse...

Ter uma fé é algo digno. Pena que alguns tenham a capacidade de distorcer as idéias muitas vêzes para interesse próprio.