quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Gás russo



Quem diria que eu, na pequenice da minha luta ofegante, dependeria de um diálogo entre Putin e Yushchenko para determinar o destino das minhas dores cervicais.

Em represália ao alto preço imposto por Rússia, a Ucrânia decidiu ontem fechar 3 dos 4 gasodutos russos que passam no seu território, através dos quais transportam o conforto do calor em casa e garante o meu gohan de todos os dias. Meio continente e eu aguardamos a notificação: ou restabelecem um acordo, ou viramos picolés em poucos dias.

Os países do centro e leste europeu são os mais prejudicados, pela dependência total ou quase, do gás russo. Já a Alemanha e Itália respondem por quase a metade do seu consumo na UE, o que já me faz prever que a balança vai pender para o nosso lado: a Rússia vai elevar o preço do seu gás - e consequentemente o governo italiano vai especular em cima de nós, camuflando-o em rigor fiscal. E vou ter que recuperar a churrasqueira e o carvão guardados na minha cantina.

Se não bastasse, o frio chegou prepotente neste primeiro dia útill. Faz 48 horas que não para de nevar. O frio eu aguento, mas não me tirem o gohan, ou eu viro uma "filha de Putin".

2 comentários:

Anônimo disse...

mas gohan não é um sorvete?

batatatransgenica disse...

sem gohan é guerra!