sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Dois pastel!



Fiz pastéis, sim, conseguí. Não vieram exatamente como os do Seu Kazuhiko da feira, nem do seu Raimundo, do boteco da esquina. Mas os convidados não deixaram nem uma migalha.

Na realidade, eu queria comer estes pastéis em pé, levar um banho de partículas gordurosas da barraca, disputar o molho gorduroso de tomate e repolho (daqueles com molho mais para fora do que dentro dos tupperwares) e me queimar com pimentas baianas. Ah, pisando centenas de guardanapos sujos no chão, para autenticar a brasilidade de Sumpaulo.

E para explicar de onde vem o pastel? É chinês remodelado. Muito remodelado. Surrupiado por japoneses do Brasil como fosse de sua tradição. Mas vendidos em todos os botecos da Canoa Quebrada a Arroio do Chuí. É inútil. Eles não entendem. A globalização étnica ainda não chegou por aqui....

3 comentários:

Luciana º disse...

oi muito legal seu post
depois da uma passadinha lá no meu blog!
www.LucianaTaveiraEspindola.blogspot.com
E deixa seu comentariozinho lá
bJOOos

hissahe disse...

Tive um caso no tribunal que, segundo o advogado de defesa, o reu trabalhava vendendo "tempura" na feira. Desde quando vende-se tempura em feira no Br???Tive que perguntar diretamente do acusado...ele disse:-Vendia pastel na feira....e pra explicar o que era pastel??? Ai e que me caiu a ficha. O brasileirinho foi mais esperto...encurtou a estoria.kkk

Anônimo disse...

Mi vien fame solo a vederle certe cose
io ne mangerei anche 10
:-)